Arquivos mensais: Fevereiro 2015

Crescimento Notável de Importações na China

A demanda dos consumidores chineses por vestuários e alimentos fabricados no exterior tem vindo a aumentar. Foi o que indicou um relatório sobre o comércio eletrônico transnacional do país efetuado em 2014. De acordo com o documento, o volume do e-commerce transfronteiriço na China atingiu os 4 trilhões de yuans (US$ 667 bilhões) no ano passado, um salto de mais de 30% em comparação com o ano anterior. A quantia é de 10% do montante do comércio realizado pelo país em 2014. Segundo as previsões, o comércio virtual continua mantendo uma expansão vertiginosa este ano.

O comércio eletrônico inclui a exportação dos produtos chineses e a importação das mercadorias de outros países. Esta última vive atualmente um crescimento notável. Muitas empresas chinesas dedicadas ao e-commerce estão tentando fazer aquisições diretamente do exterior. Recentemente, o chefe executivo do grupo Jingdong, Liu Qiangdong, chefiou uma delegação a Paris para inaugurar o “Pavilhão do Jingdong em França”, com a tentativa de importar diretamente produtos franceses, sem intermediários. O gerente da Sessão dos Artigos de Uso Diário do Jingdong, Zhao Jiankun, explicou a iniciativa da empresa.

“Para mim, o mercado de importação de produtos do exterior está numa situação caótica. Segundo as nossas estatisticas, os atacadistas podem aumentar em 20% os preços dos produtos importados do exterior. A partir de hoje, iremos importar diretamente do exterior, sem aumento dos preços. Assim, os nossos consumidores também poderão poupar.”

Como o sistema de distribuição na China é extremamente complicado, os exportadores estrangeiros preferem a cooperação com empresas de e-commerce do país. Para além do vinho, os consumidores chineses mostram um enorme interesse em produtos alimentares, vestuários e produtos maternos e infantis importados. O site womai.com, do grupo COFCO (China National Cereals, Oils and Foodstuffs Corporation), é um dos primeiros e-commerces que iniciaram importações de produtos estrangeiros no país. O chefe de marketing da empresa, Shang Yan, revelou que os alimentos estão sendo cada vez mais procurados pelos consumidores chineses.

“Observamos que os nossos consumidores compram muito snacks como chocolates e bolachas. Por isso importamos esses produtos a partir de países ocidentais e do Japão. Os produtos lacticínios fabricados na Alemanha e na Dinamarca também são bastante procurados. Queremos importar produtos de boa qualidade, já que os consumidores chineses estão cada vez mais exigentes.”

No ano passado, as autoridades chinesas como a Alfândega Geral e a Administração Nacional dos Impostos anunciaram uma série de políticas favoráveis ao comércio virtual transnacional. Para a diretora do Instituto da Economia Mundial, Chen Fengying, o fenômeno vai impulsionar também a economia global.

“Atualmente o mundo deve saber que nós não somos somente a Fábrica do Mundo, mas que também somos grandes consumidores. É uma realidade que cada vez mais chineses estão entrando na classe média. O aumento da demanda fornece oportunidades ao mundo.”

Fonte: CRI Online